Amor Cruel de Colleen Hoover

Classificação: 4 estrelas
Amor Cruel de Colleen Hoover
Tate muda-se para a casa do seu irmão em São Francisco. Na noite em que chega acaba por conhecer Miles. Apesar de ficar com má impressão de Miles, ele consegue dar-lhe a volta. Começam por ter um relacionamento físico mas Tate acaba por se apaixonar. Miles deixou bem explícito desde o início que não queria mais nada dela a não ser sexo. Mas Tate está determinada em descobrir o porque de tanta dor.
Conhecemos a realidade de Miles através de Tate, mas ao mesmo tempo, através de flashbacks, conhecemos também o passado de Miles. São pequenos capítulos escritos em versos cheios de amor. Nada ficou por dizer.
A meu entender, a autora aproveitou a onda de 50 Sombras de Grey e colocou as cenas de sexo numa de chamar a atenção. E conseguiu.
A escrita não é fantasiosa e as conversas são coerentes, muitas vezes dei por mim a querer berrar com Tate. Tem o seu qb de lamechice, mas é isso um romance. A mensagem do livro é simples – O amor tem um lado bom e um lado mau.
Todos nós temos um passado, seja ele bom ou mau, ele estará sempre connosco e está em nós a decisão de o deixar para trás.
Miles têm um passado muito pesado e tem alguma dificuldade em deixá-lo. Começa a ter uma relação física com Tate porque lhe apetece, basicamente.
Tate pensa que é uma rapariga forte, que consegue ter sexo sem se apaixonar. POIS ESTÁ BEM! Acaba por se render a Miles e é a partir desse momento que me apetece dar-lhe um estalo.
Nós, raparigas temos dificuldade em separar o amor do sexo, já no caso dos homens a coisa é mais fácil. Tate é uma rapariga inteligente e que começa a ter sexo com Miles numa de descontrair do stress do dia-a-dia. A coisa descontrola-se e ela começa a sentir algo por ele.
Miles têm motivos para não se voltar apaixonar e todas nós já tivemos esse momento. A dor de uma ruptura ou de uma negação por algo que amamos é muito grande ao ponto de não querermos voltar a sentir o mesmo. Percebo o lado de Miles, ele têm dificuldade em deixar o passado, mas quem não tem? A autora conseguiu pôr-me a pensar várias vezes, seremos nós capazes de deixar o nosso lado cruel do amor lá no passado?
Sim e não. Haverá momentos que estaremos mais susceptíveis e que o queremos é por fim a tudo, no entanto, as coisas mudam e as pessoas não são todas iguais. Temos direito a amar e a dor estará sempre presente, estejamos a senti-la ou não. Mas é isso que nos faz querer amar. Amar pouco. Amar muito. Mas nunca deixá-lo do fazer. São essas as feridas que nos fazem crescer e perceber que a dor e o amor vão sempre estar lado a lado. Cabe a nós querer voltar a amar e se temos força para o voltar.
Pontos positivos: O romance que surge entre os dois. Pensei que a autora fosse previsível mas acabou por me surpreender pela positiva.
Pontos negativos: Sexo, sexo, sexo. O sexo nada acrescentou ao livro. Há lá uma cena muito mal explicada!!! Como é que aconteceu aquele acidente.
Frases do caraças

“É assim quando nos sentimos atraídos por alguém. Não está em lado nenhum e, de repente, está em todo o lado, quer queiramos quer não.”

” O desejo quer tudo aquilo que não pode ter”

“O amor nem sempre é bonito, (…) Às vezes, passamos o tempo todo à espera de que se transforme numa coisa diferente. Numa coisa melhor. Até que, quando damos conta, voltámos ao ponto de partida, e perdemos o coração, algures no meio do caminho”

” Se me amas mais hoje do que ontem, mal posso esperar por amanhã”

O livro ainda tem muitas mais frases bonitas, eu é que não quero estar a transcrever…

4 Comentários

  1. Ando muito curiosa com esta autora… Nunca li nada dela :/

  2. Também adorei o romance neste livro! Eu já li mais livros da autora e cada vez estou mais rendida!!

    Beijinhos

  3. Recebi-o ontem. Espero gostar.

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*