Cartas de amor, quem as não têm?

O novo S. Valentim já se encontra na papelaria da escola. – Foi esta a mensagem que li no Facebook do meu antigo liceu. Lembro-me tão bem. Chegava aquela altura do ano que sonhávamos receber uma carta de alguém. Cartas de amor, quem as não têm?

Lembro-me de escrever para todas as minhas amigas na altura, e elas faziam o mesmo. Escrevíamos dedicatórias parvas com promessas de amizades infinitas. A Flávia e a Inês foram as que resistiram com o tempo. A Inês escrevia sempre palavra de ânimo, já a Flávia partia para a brincadeira. Ainda as guardo no meu baú.

O S. Valentim do liceu começava sempre uma semana antes. Uma caixa do correio deixada na papelaria. Quando chegava o dia de S. Valentim tínhamos alguém da Associação de estudantes de calças brancas, de tronco nu com as asas e as flechas a acompanhar. Os professores deviam odiar a entrega de cartas, ainda me lembro da cara de frete que a professora de História. Anunciava a chegada do amor e nós já sabíamos o que esperar. Era engraçado o ar de surpreendido do S. Valentim quando lia 3 ou 4 vezes o mesmo nome.

Com a ida para a faculdade tudo se perdeu mas há uns tempos, decidi voltar a oferecer postais em épocas festivas. Elas também me escreveram postais, como cá em casa já se ganhou esse hábito. As palavras doces que lá se encontram são por vezes o meu apoio e quando me sinto mais em baixo, é só abrir as cartas.

O meu irmão quando começou a aprender a escrever, deixava-me todos os dias um recado na cama. Poucas palavras. Recados amorosos. Guardo todos estes papéis numa caixa, e acreditem que não são poucos. Ele enchia-me e ainda me enche de ânimo. Sim, os recados estão cheios de erros, mas para uma criança de 7 anos, já estava muito avançado.

Confesso que gostava de receber uma carta de amor, mas sei que dificilmente o meu pedido será concretizado. Já escrevi para quem não devia e já escrevi para quem não me quis. Mas não as deixo de escrever. Diria que sou uma romântica perdida mas que a cada dia que passa acredito cada vez menos. Não, nunca recebi uma carta de amor. Todas as cartas que tenho são de amizade, dedicatórias lindas, principalmente o último postal da Izzie. Mas nunca tive aquela carta escrita por uma pessoa especial, nem um simples “Gosto de Ti”.

Para os que festejam o dia dos namorados, tenham um bom dia e lembrem-se que prendas não são tudo e já agora, cartas de amor, quem as não têm?

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*