“Manual de Sobrevivência de um Escritor” de João Tordo

Se queres ser escritor o Manual de Sobrevivência de um Escritor de João Tordo vai mostrar aquilo que precisar para o ser. Confesso que quando terminei o livro, dei por mim a pensar que jamais serei uma escritora nata que um dia pensei ser. É claro que o sonho prevalece, mas foquemo-nos na opinião do livro.

A primeira vez que peguei numa das suas obras “A mulher que correu atrás do vento”, percebi que o autor, teria os seus demónios. Saber escrever sobre a dor, como João Tordo o faz, é de alguém que conhece bem o sofrimento. Espero que não me interpretem mal, mas que levem este meu devaneio como um elogio.

No Manual de Sobrevivência ou o pouco que sei sobre aquilo que faço, encontramos um autor mais solto e que nos quer aconselhar sobre o ofício de escritor. Senti que fosse uma voz amiga e que me fez companhia ao longo da minha viagem de trabalho (João Tordo foi e veio comigo a Vilamoura). Um livro onde nos fala com verdade.

São muitas as obras que ele menciona ao longo do Manual de Sobrevivência de um Escritor de João Tordo, obras pelas quais ele se apaixonou e que lhe presentearam aquilo que ele chama hoje de ofício. Tive pena de não as apontar, pois tenho interesse em as conhecer. No entanto, no fim do livro existe uma lista de livros semelhantes a esta obra.

Dá-nos uma sensação de prazer pois o autor escreve sobre ele mesmo. Escreve sem rodeios, sobre a sua profissão e de como chegou ao reconhecimento. Já conta com 16 obras publicadas (coisa pouca) e alguns percalços pelo caminho.

Desde a crítica à edição, sem faltar o fracasso, o livro tem uma estrutura muito própria e organizada. Fala-nos do tempo e da coragem que um escritor precisa de ter, sem esquecer o foco. Sem vos querer dar com spoilers, João Tordo mostra-nos um lado mais pessoal mas relembra que um escritor deve permanecer na sombra mistério.

Escrevam, diz ele. Sobre o que for. Lá no fundo penso e ainda sonho em escrever o meu livro, até lá, guardo estes conselhos que me dás. – Escrever não serve para ensinares ninguém. Quando muito, serve para aprenderes quem és.

I just want to be a kid for as long as i can.

6 Comentários

  1. Hello 🙂
    Confesso que este não é bem o meu género literário mas a tua escrita é tão boooooa que quase me convenceste a ler. Gostei muito rapariga.
    Beijinho

  2. Tenho este livro na estante e é um dos que quero ler este mês! Adoro a escrita de João Tordo *-*

  3. o ultimo fecha a porta

    nunca li joão tordo, gostas?

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*